Reportagem do Fantástico destaca trabalho de médicos-veterinários catarinenses pela vida marinha

11 de novembro de 2022

Uma força-tarefa tem se dedicado a entender o que está acontecendo e a salvar os pinguins que ainda chegam vivos no litoral catarinense. Segundo a médica-veterinária Marzia Antonelli do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos e membro da Comissão de Animais Silvestres do CRMV-SC, a culpa das mortes é de um parasita que estaria ligado às mudanças climáticas.

O mês de outubro registrou uma preocupante estatística nas praias de Florianópolis. Em comparação ao ano passado, mais que dobrou o número de pinguins mortos encontrados nas areias da ilha e uma força-tarefa tem se dedicado a entender o que está acontecendo e a salvar os que ainda chegam vivos. O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos existe há sete anos. A média de pinguins encontrados mortos na capital catarinense sempre foi em torno mil animais a cada temporada. Mas em 2022 o número já é de quase 2,5 mil animais, um aumento de 146% em relação à média.

Em um centro de reabilitação de fauna marinha em Florianópolis, especialistas buscam respostas para o que está acontecendo de diferente este ano. Segundo a veterinária Marzia Antonelli, a culpa é de um parasita. “Nós temos observado que os animais estão vindo com uma grande quantidade de parasitas nos sistemas respiratórios. Então, isso acaba dificultando a respiração e muitos deles já chegam mortos. A nossa hipótese é que seja relacionado às mudanças climáticas. O aumento da temperatura no Atlântico faz com que haja um alimento diferente, provavelmente um peixe, que transmite esse parasita aos pinguins”, explica.

A reabilitação dos pinguins resgatados costuma levar dois meses. Os que já estão saudáveis ganham muita sardinha para recuperar o peso e, antes de serem devolvidos ao mar, cada um recebe um chip de identificação, do tamanho da pontinha de um lápis, que é injetado nas costas. Através do chip os especialistas conseguem acompanhar todo o histórico de vida do animal.


REPORTAGEM